Novidades do Mercado #70

Passou o final de semana da CCXP e pouca coisa mudou. A JBC não fez nenhum anuncio, e ao que parece, o selo Ink Comics vai ser encerrado. Porém não achei grandes informações sobre isso, e resolvi esperar a posição definitiva da editora, o que deve acontecer sexta no Henshin Online 100 (e acho que algum anuncio também).

Por isso, hoje vamos falar apenas da Panini.

planetmanga

Editora Panini

As primeiras noticias vem do aguardado Lobo Solitário. Como já se esperava, a obra terá o formato “luxo” da editora, em formato 13×20, papel offset e orelhas. O mangá custará R$ 18,90, média de 300 páginas, e será bimestral. Um diferencial dessa edição é que o mangá terá páginas inéditas no Brasil, já que as anteriores seguiam os moldes americanos que foram alteradas, enquanto essa seguirá os originais japoneses.

Outro ponto interessante será nas capas, elas vão seguir as capas americanas (com direito a Frank Miller), tendo as japonesas na contra-capa. Lembrando que a obra possuí ao todo 28 volumes e o primeiro está previsto para dezembro.

Para finalizar, a editora fez 7 anúncios de títulos para 2017. São obras bem diferentes, indo desde volumes únicos até séries longas, e passando do shonen até o terror, e coisas bem desconhecidas.

São 3 volumes únicos:

O primeiro é Alive, obra de Tsutomu Takahashi e que foi publicada na Young Jump em 1999. Obra próxima ao terror que conta a história de Yashiro, um cara que matou cinco pessoas e agora está no corredor da morte.
hikari
Seguimos depois para Katsura Akira, que como o próprio nome diz, é um volume único com duas histórias criadas pela união entre Akira Toriyama e Masakazu Katsura. Honestamente, não esperava ver essa obra ser publicada no Brasil tão cedo, mas se pensar no peso dos autores, até que não é surpresa.

O último volume único é algo obrigatório para todos, Hikari no Machi, obra de Inio Asano (que se tornou um dos meus 3 autores favoritos). Será a terceira obra do autor publicada no Brasil e novamente por uma editora diferente, após Solanin sair pela L&PM e Nijigahara Holograph pela JBC.

As outras 4 possuem mais de um volume, duas delas muito pedidas pelos leitores:inu

Começamos com Opus, obra de Satoshi Kon e que foi publicada nas páginas da Comic Guy’s. A série conta a história de um mangaká que acaba sendo puxado para dentro de sua obra e precisa confrontar seus personagens. Ela foi finalizada em dois volumes.

Uma adaptação inesperada é o próximo título: Sherlock. Diferente do que se espera ao ver o título, a obra não é uma adaptação das obras de Sherlock Holmes, e sim da série da BBC que narra as aventuras do detetive no mundo atual (série com Benedict Cumberbatch no papel do detetive). A obra conta com 3 volumes encadernados e ainda está em publicação no Japão.
Pluto
A próxima obra também está em publicação no Japão e era muito aguardada aqui: Inuyashiki, de Hiroya Oku (autor de Gantz). Publicada desde 2014 na Evening, a obra conta atualmente com 7 volumes e conta a história de um velho e um jovem que tem seus corpos transformados em robôs após serem “atropelados” por uma nave extraterrestre. A obra estava nas apostas do blog de obras que poderiam ser anunciadas no Brasil em breve, comentei até que seria um sucessor para 21stCB.

Finalizando a longa lista, chegamos em Naoki Urasawa e finalmente o anuncio de Pluto. A obra finalizada em 8 volumes foi publicada entre 2003 e 2009 na Big Comic e é baseada em Astro Boy, obra renomada de Osamu Tezuka. A série era muito pedida, principalmente após o final de 20thCB.

Anúncios

14 comentários

  1. O que achou da quantidade de obras anunciadas pela Panini? Tava lendo o post do Mais de Oito Mil, e concordo com ele, mesmo entendendo o lado da editora.
    Enfim, são anúncios bem legais. Tirando Sherlock e Katsura Akira, tô interessado em todos, mas só compro com certeza Pluto e Hikari no Machi, o resto vai depender dos outros lançamentos…

    • Na verdade, acho que a Mara exagerou um pouco sabe.

      Vamos pegar apenas a Panini, ela tinha apenas seis títulos “atrasados”: Nisekoi, One Week Friends, Dr. Slump, Sakamoto, Jaco e Wanted. Somando agora esses sete anúncios, temos ao todo 13, sendo que 5 são volumes únicos, então nem “ocupam” espaços no calendário do mês.

      Se pegar os outros oito títulos, Opus tem apenas dois volumes, Sakamoto tem quatro. Mesmo bimestrais, ambos terminam em menos de um ano. E Sherlock tem apenas três volumes, no máximo quatro ou cinco quando sair.. Só ai já reduzimos para apenas 5 títulos atrasados.

      Ai vamos pensar nos encerramentos da Panini, só em 2017 vão ser 9: Kuroko, Reborn, Aoharaido, Beelzebub, Fate, Tokyo Ghoul, Assassination, Bleach, Pokemon. Se pegar hiatos, colocamos ainda Bestiarius, os dois Ataque dos Titãs, talvez Ajin e Testament, e o próprio Sherlock.

      Se pensar por esse ponto mais “analítico”, a Panini está fazendo um bom balanceamento das obras.

      • Realmente, se você considerar a quantidade de volumes de cada obra não parece que está cheio demais, porém discordo um pouco sobre o balanceamento de obras. Se você olhar o checklist dos últimos meses, dá pra notar que a cada mês a Panini vem lançando mais tankos que o anterior, sem esperar direito as séries acabar. Agosto:18, Setembro:20, Outubro:21 e Novembro:22 (peguei as informações no BBM, culpem eles se estiver incorreto 😛 ).

        Tokyo Ghoul não conta nos que irão finalizar, pois o :re com certeza vem depois no mesmo estilo de 21st CB. Sendo assim, tem 8 títulos shounen que irão finalizar e, de tudo anunciado, apenas 5 shounens pra substituir. Não é algo exato, mas muito do que foi anunciado tem foco em um público diferente do que está pra acabar ou até entrar em hiato. É um problema pessoal, mas tenho certeza que não sou o único que não coleciona praticamente nenhum título que vai acabar logo, mas está interessado em tudo anunciado. E com certeza tem mais pra ser anunciado no RF.

        Eu espero pelo menos que essa diferença signifique que a Panini pretende diminuir a quantidade de títulos em banca. Ela deve ter aproveitado que a JBC mudou muito de seus mangás pra bimestrais e decidido aumentar a margem de lançamentos 😛 mas bem que ela poderia voltar a média de 15 tankos por mês.

        Pensando agora, é um problema muito mais difícil de notar quando anunciam um mangá por vez, como a JBC fez uns meses atrás com as dicas cada semana e tal.

      • A questão do checklist é meio relativa, pois se você analisar mais friamente, verá que esse aumento de títulos é muito pelos hiatos:

        Agosto com 18 volumes era mês de Bleach e tinha apenas Triage X 12 voltando. E o lançamento de Yo-kai meio tanko.

        Setembro com 20 não teve volta de hiato, mas teve o final de 21st e Rust Blaster volume único, teoricamente, duas vagas liberando nos meses impares.

        Outubro teve 21, porém foram 3 voltas de hiato: Yakumo 13, Kimi Ni 26 e Black Bluter 23. Só isso já reduz para os mesmos dezoito de agosto, já que os lançamentos de Pokemon e Slam Dunk pegariam as vagas de Bleach e Triage X. Ainda teve o volume único de Naruto Gaiden e o fim de Air Gear, liberando duas vagas para os meses pares (que vão ser Lobo Solitário e The Gods Lie em dezembro).

        Novembro teve 22 títulos, mas é mês de Bleach e ainda tem o meio-tanko de Berserk. Isso reduz para os mesmos 20 de setembro, com Bestiarius pegando a vaga de 21st e o databook de Naruto pegando a de Rust Blaster, e por ser volume único, libera uma vaga nos meses impares (que vai ser de One Week Friends em janeiro).

        Ou seja, relevando os hiatos, os meses impares possuem 20 títulos e os pares 18. Claro, ainda é muita coisa, mas também não da pra dizer que não está balanceado.

        Mas concordo com você sobre as demografias e formatos. Substituir os R$ 13,90 de Air Gear pelos R$ 18,90 de Lobo Solitário é pesado, sem contar que são públicos bem diferentes. Esse tipo de substituição é realmente complicado.

      • É verdade, deu um azar ai com os hiatos, mas talvez ter segurado alguns lançamentos um pouco mais seria melhor. Seria tão melhor se mais títulos fossem trimestrais.

        Claro que todo mundo gostou demais do formato de 17/18,90, mas to começando a achar que é demais, ainda mais com esse tipo de substituição. Bestiarius também vai acontecer isso, já que ele vem pra substituir Vinland Saga, ainda que o público seja o mesmo. Ao menos vários mangás da JBC foram adiados esse mês, então deu uma boa respirada.

  2. Acredito que a falta de anúncios da Jbc, se deva pelo fato de ainda ter que publicar os títulos atrasados dela, do relançamento de InuYasha ,e de alguns títulos com o preço um pouco acima da média como BLAME!, o Kanzenban de Saint Seiya, e do todo poderoso Akira(que, na minha opinião, será o maior título de 2017, a ser publicado aqui).

  3. Minha opinião está um pouco dividida quanto aos anúncios. Uma parte de mim defende que existem coisas “melhores” a serem lançadas no Brasil, outra parte gosta quando são lançadas coisas desconhecidas.

    Primeiro pensamento: Existem coisas muito boas para serem lançadas, títulos dignos de CCXP, como por exemplo Haikyuu, Souma, Owari no Seraph, Prision School e outros bem mainstream mesmo. Ao meu ver, pode acabar acontecendo com Souma o mesmo que aconteceu com Tegami Bachi (ou Letter Bee), que acabou caindo no esquecimento. Poderiam aproveitar essa “onda” de reality show de cozinheiros e lançar logo, pode ser que mais pra frente o povo enjoe disso e o público atingido seja consideravelmente menor.
    Além disso, títulos do estilo medieval (como Berserk e Vinland Saga) já mostraram que possuem uma boa base de fãs, sendo assim, poderiam trazer Kingdom (apesar de eu achar bem grande). Outro bom lançamento seria Oyasumi Punpun, GTO, Yotsuba to, Mushishi, Uchuu Kyoudai, Natsume Yuujinchou, Shigatsu wa Kimi no Uso, Beck, Skip Beat, Chihayafuru, entre outros bastante conhecidos e que poderiam facilmente substituir títulos que estão se encerrando ou que vão se encerrar no início de 2016. Olhando por esse lado, eu acho os anúncios meio fracos.

    Segundo pensamento: Não acho totalmente ruim lançar coisas mais desconhecidas, pois é esse tipo de lançamento que faz o mercado crescer, buscar novas “demografias”. É bom sair do mainstream e além disso, as escolhas da Panini foram bastante “pé no chão” com títulos curtos e a maioria já finalizados. E convenhamos, o mar não está pra peixe, realmente não é hora de apostar em Jumps não finalizados.

    Nota: Não sei se acho positivo ou negativo ter as capas com a arte do Frank Miller, o cara é top, mas desenha tão mal, quanto escreve bem. Eu vejo pessoal que curte HQ reclamando da arte de SnK e elogiando a arte do Frank Miller, pra mim as duas são beeem sofríveis.

    • Anota ai: Oyasumi Punpun em 2018 no Brasil, não sei por qual, mas acho que é título certo. Acho que tanto Nijigahara quanto Hikari são testes pra ver como o público reage, e acho que a reação foi muito boa, ao ponto que ele vai ter que vir.

      Cara, Natsume Yuujinchou, Shigatsu wa kimi no Uso e Koe no Katachi são obras que eu não entendo ainda pq não estão na minha estante, principalmente os dois últimos, já finalizados e com poucos volumes.

      Sobre o Miller, sabe que eu via muito pessoal de HQ perguntar sobre a obra? Até mais que o público de mangás mesmo, por isso acho que a editora tentou usar esse nome do “Miller” realmente. Eu tbm não gosto da arte dele, porém é como você diz, o pessoal chama ele quase de deus do novo mundo.

      • Desses que eu falei o que eu mais boto fé é PunPun, por causa da onda Asano. Mas acredito que ao longo do ano vão rolando esses lançamentos mais pop.
        E não vamos esquecer da promessa de relançamento do título em hiato/ cancelado que a Panini prometeu. Torcendo horrores por Kekkaishi ou por Tiger & Bunny.

  4. Acho que anunciaram mangás esse estilo pra tentar alcançar a galera fora do nicho otaku, pelo tipo de evento, já que desses aí boa parte pega os nerds pseudocults da vida, outro de um fandom mais a parte ainda é Sherlock, que foi super repudiado entre os otakus ( o que vi de gente falando de “só coisa legal e Sherlock” enenns o “e Sherlock” virou quase um bordão), mas que tem um fandom bem grande, e que já até vi gente que se pegou uma edição pocket de naruto na infância mostrando interesse nesse mangá, eu vi.
    Ps. Pelo que vi Solanin esgotou uma vez, e depois de muitos pedidos foi reimprimido, Nijigahara Holograph já acabou em várias lojas online e parece que veio numa edição caprichada (o meu ainda não chegou) e agora vem esse pela panini, me pergunto se o Inio não tá testando quem lança na melhor qualidade/lucra mais/(?) Pra escolher a dedo que vai publicar PunPun no Brasil XD

    • Imaginei o Asano: “se vocês me querem, vão ter que me conquistar”. Olha, Nijigahara está incrível, me apaixonei por ele quando vi na loja, e depois lendo eu gostei ainda mais. Gostei da qualidade de Solanin, mas acho que a de Nijigahara ficou melhor ainda. Imaginando que a Panini vá fazer o formado de TWE, acho que NH só vai perder pela falta de orelhas mesmo.

      Já o Sherlock não sei o quanto vai vender, é “Holmes” mas ao mesmo tempo não é. Ainda se fosse uma versão das histórias originais, mas não, é uma adaptação da adaptação. E ainda está em publicação com apenas 3 volumes, sei lá, me cheira tanto a hiato eterno que já nem sei mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s