Top10 #20 – Personagens Femininas 2.0

Bom dia todos vocês, e em especial para nossas amigas leitoras nesse Dia Internacional da Mulher, esse post é de certo modo dedicado a todas vocês.

Vocês devem ter lido o título e pensado “o que é esse 2.0?“, os leitores mais antigos devem lembrar que bem antigamente eu já tinha feito um Top10 – Personagens Femininas, na verdade, foi até o nosso segundo Top10 em agosto de 2015.

De uns tempos pra cá eu tenho ficado com essa ideia na cabeça, pegar os Top10 mais antigos e refazer a lista. Um dos motivos é que já se passaram quase 2 anos de blog, e nesse tempo, minha coleção pulou de 350 para quase 1200 volumes, de 20 séries para quase 110. Foram diversas histórias lidas, novos personagens que apareceram e muita coisa que mudou, eu lia os antigos Top10 e já não me identificava com quase nada.

Por isso resolvi recriar os mais antigos e, por coincidência, já estava próximo ao Dia Internacional da Mulher e um dos primeiros era justamente personagens femininas. Bom, acredito que seja uma ótima data para recriar esse post.

Então sem mais delongas, vamos para a nova lista de minhas 10 personagens femininas favoritas.

E como sempre aviso: VAI CONTER ALGUNS SPOILERS DAS OBRAS

10º Lugar: Bulma – Dragon Ball

Uma das personagens que estava na última lista mas que foi do segundo na última lista para último dessa. Após pensar muito, resolvi manter a Bulma na lista, muito mais por ela ter sido a responsável por Dragon Ball, já que foi ela quem encontrou o Goku e tirou ele da montanha. E se for pensar bem, muita coisa aconteceu graças a ela, como a construção da nave que foi pra Nameku e a criação do radar do dragão. Sem a Bulma muita coisa não teria acontecido, então merece ao menos o décimo.

9º Lugar: Lisandra – Holy Avenger

Mais uma que decaiu algumas posições mas se manteve no Top10, Lisandra era no outro post a única representante brasileira (agora vai ter outra). Em Holy Avenger nós vemos uma obra que não deve em nada para os shonens padrões, mas que tem uma forte personagem feminina como pilar central da história. Depois de ler outras obras ambientadas em Arton, percebi que esse é um ponto forte de Tormenta RPG, as personagens femininas são incríveis, embora tenha Niele como uma “esteriotipada”, no geral são fantásticas, grandes deusas como Valkaria e Tenebra, grandes heroínas como Lisandra e Shivara, e também… deixa, mais pra frente a gente fala disso.

8º Lugar: Kawori Miyazono – Your Lie In April

Essa ainda não está na minha estante, mas como é questão de dias (abril já é mês que vem \o/) eu resolvi colocar ela. Se em Dragon Ball tudo acontece por uma atitude da Bulma, podemos dizer que em Shigatsu tudo acontece por causa da Kawori. Ela muda a vida de todos e a nossa também, nos apaixonamos  A última vez que eu chorei vendo um anime foi com o final dela.

7º Lugar: Shouko Nishimiya – Koe no Katachi

Assim como em nosso oitavo lugar, aqui temos mais uma que ainda não chegou em nossas mãos, mas que como é questão de tempo, já merecia lugar no Top10. Como não amar a história da Nishimiya e sua descoberta do mundo? Koe no Katachi (ou A Voz Silenciosa como deve sair aqui) é fácil uma das minhas 5 obras favoritas, então com certeza ela deveria estar nessa lista.

6º Lugar: Kaoru Kamiya – Rurouni Kenshin

A vencedora daquela lista é hoje apenas a sexta, eu ainda gosto demais de Rurouni Kenshin, mas admito que hoje já não vejo a obra com aquele mesmo prazer que eu via antes. Mesmo assim, não tem como não colocar Kaoru como uma das melhores, os efeitos que ela tem na trama são incríveis, ela afeta todos e principalmente o Kenshin. Impossível não sentir a mesma tristeza e fúria que todos sentiram quando ela “foi morta” no final do mangá.

5º Lugar: Morte – Sandman

Como descrever algo como a morte e transformar ela numa personagem de quadrinhos sem que ela pareça má ou assustadora? Simples, fazendo ela ser normal. Na obra temos vários personagens chamativos, principalmente nos perpétuos, Sonho tem todo aquele seu ar reflexivo, Destino é misterioso e Delírio é psicodélica, mas a Morte é simples e normal, o mais humana possível. E é isso que torna ela incrível, pois em meio a tantos personagens fantásticos, nós nos identificamos com ela e percebemos o quão natural ela é.

4º Lugar: Kanna Endo – 20th Century Boys/21st Century Boys

Kanna é outra a seguir em todas as listas mas que também decaiu uma posição. O problema aqui foi o final da obra, 20thCB (e depois 21st) terminou de uma maneira tão fraca que muita coisa se perdeu. Não dá para tirar os méritos da Kanna ao assumir o protagonismo na segunda fase da obra, porém foi impossível não se decepcionar ao ver ela ficar mais em segundo plano na fase final. Não se explicou praticamente nada sobre os poderes dela e o sentimento de poderia ser melhor incomodou.

3º Lugar: Elisa Thorn/Crânio Negro – Trilogia de Tormenta

O maior e mais cruel vilão do universo de Tormenta é uma mulher! Muita gente me entende errado quando falo isso, pois acham que significa que “mulher não pode ser vilã”, mas é o contrário, eu acho maravilhoso isso. Quantas obras de batalha (tirando shoujos como Sailor Moon) em que temos uma super vilã, mas poderosa o suficiente para destruir o protagonista? Eu não lembro, talvez Deadman Wonderland com a Shiro. O melhor aqui é que o Caldela “atiça” o nosso lado machista, durante todo o segundo livro inteiro nós vemos o vilão Crânio Negro como alguém impossível de derrotar e logo queremos ver o homem por trás da máscara, quando descobrimos que é alguém que tem ligação com o grupo do primeiro livro, logo imaginamos os homens fortes do grupo: Vallen e Gregor. Até a última cena, a última palavra da última página em nenhum momento Elisa passa pela nossa cabeça, mas quando é revelado, tudo faz tanto sentido, é tão natural que eu me peguei pensando “Porque não descobri antes?“. Tormenta tem a maior vilã, e ela deixa muito marmanjo no chão fácil.

2º Lugar: Komugi – Hunter x Hunter

A única que subiu de posição na lista é a Komugi. Se Kenshin e 20thCB perderam um pouco a graça que tinham para mim, Hunter apenas aumentou após eu reler (outra vez) a obra. E novamente eu me peguei admirado com o trabalho do Togashi com a Komugi. Já cansei de repetir que se não tivesse a Komugi em Chimeras Ant, provavelmente HxH seria um pouco menos do que é atualmente, não que ele seria ruim, mas todo o arco das formigas seria apenas “bem x mal”.

1º Lugar: Lisbeth Salander – Trilogia Millennium

Fechando essa lista, a melhor personagem feminina que eu já li. Como não tinha uma imagem da personagem em si, precisei pegar da adaptação cinematográfica mesmo. Lisbeth é uma pessoa que carrega todos os preconceitos da sociedade: é mulher, bissexual, antissocial, com uma aparência física “fora do padrão” e é mantida pelo estado como alguém “incapaz de cuidar de si mesma”. Mesmo tendo que enfrentar esses esteriótipos ela se mostra brilhante e extremamente forte, principalmente após ser presa e toda a população começar a julga-la como se tais coisas a tornassem alguém que merecia a pena de morte. Lisbeth é facilmente a melhor personagem feminina que já li numa obra, aquele tipo que nos conquista e faz admirar cada vez mais.


Bom, por hoje é isso, no futuro vou fazer mais alguns 2.0, como o de Vilões e Obras Favoritas.

Agora é com vocês, qual o seu Top 10 de melhores personagens femininas?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s