O Que Poderia Ser Publicado no Brasil #12

Terça-feira novamente chuvosa começando e hoje teremos aquele nosso post com obras que poderiam ser publicadas no Brasil na minha opinião, mas que vai saber por qual motivo nunca chegaram aqui.

Dessa vez resolvi criar um tema que eu já queria utilizar faz algum tempo: Autor Que Nunca Foi Lançado.

É interessante ver como tem autores com mais de uma obra de sucesso e que mesmo assim nunca foi lançado no Brasil, um caso recente por exemplo é Shuzo Oshimi que somente agora irá ter Happiness (que nem é a mais famosa) publicada em nosso país, outros como Asano e Shinkai só agora parecem ter sido descobertos por nossas editoras.

Para começar esses “autores esquecidos”, hoje eu trago Seo Kouji, um autor que me surpreendeu o tanto de obras dele que eu gosto e que pelo que vejo em grupos, possuem certo sucesso. Separei 4, cada uma com uma peculiaridade diferente: curta, mais sucesso, famosa e em publicação com anime recente. Todas elas publicadas numa revista forte como a Shonen Magazine, a mesma de Nanatsu, Fairy Tail, Koe no Katachi e uma caralhama de outras obras de sucesso.

E por mais incrível que seja, nenhuma  dessas quatro obras aparenta despertar o menor interesse das editoras brasucas, embora eu ache que qualquer uma poderia vender aqui tão bem (ou até melhor) que Sakura Wars ou Ninja Slayers da vida.

Então sem mais delongas, vamos para a lista de hoje:

 HALF & HALF – Completo com 2 volumes.

Começamos pela primeira obra do autor, uma história curtinha sobre dois jovens que morrem em um acidente, mas que recebem uma segunda chance de viver por mais sete dias. Após este prazo, um dos dois vai morrer novamente. Só que a vida deles será compartilhada, eles vão sentir a mesma coisa (tanto emoção quanto fisicamente) e também não podem se afastar, pois assim ambos morrem. Com isso, eles são obrigados a conviverem por uma semana, enquanto cada um tenta se manter vivo ao final do prazo.

PORQUE PODERIA VIR?: Vamos começar pelo tamanho, são apenas 2 volumes, coisinha fácil de vender e se comparada com as demais é beeeem mais simples. Na história, é um tipo de obra que eu acho que poderia dar bem certo no nosso mercado. Essa proposta de eles estarem ligados e não poderem se separar acaba fazendo com que eles se conheçam e se crie um amor, então tem todo um lado romance que ainda se torna mais forte com a ideia de que ao final da semana um dos dois vai acabar morrendo. Ao mesmo tempo temos bons momentos de humor que podem agradar aqueles que não curtem tanto a melosidade comum em obras românticas. Talvez seja a obra com um pouco mais de chance de aparecer, pois foi finalizada ano passado e eu não me surpreenderia de ver na NewPOP (até gostaria muito).

 SUZUKA – Completo com 18 volumes.

Agora vamos para a que para muitos é a grande obra do autor, embora para mim tenha sido apenas o primeiro sucesso dele. Suzuka conta a história de Yamato, um garoto que se muda do interior para Tóquio, na cidade ele conhece Suzuka, uma estudante se sua escola que pratica salto em altura. Apaixonado e tentando chamar a atenção da garota, Yamato entra para o clube de atletismo e acaba descobrindo que possui um talento para corrida.

PORQUE PODERIA VIR?: Acho que essa é possivelmente a mais improvável de vir, primeiro que Suzuka já é bem antigo, o mangá encerrou em 2007 e o anime é de 2005. Temos também o fato dele ser de certo modo um “romance de esporte”, duas coisas que aparentam causar arrepios em nossas editoras, e junto disso ainda vem 18 volumes, um número um tanto alto se for pensar na falta de pedidos que a obra tem. A história não é nada genial também, o esporte não é tão destaque assim, ele é o pano de fundo para o romance e as escolhas dos personagens. Pesa ao seu favor talvez o fato de ela estar ligada diretamente na obra atual do autor, não que isso torne ela obrigatória, mas ajuda. Isso eu explico melhor mais para a frente.

 KIMI NO IRU MACHI – Completo com 27 volumes.

Está é para mim a maior obra do autor, principalmente em volumes. Kimi no Iru Machi, ou A Town Where You Live (ou mesmo A Cidade Onde Você Vive) conta a história de Haruto, um garoto que vê sua vida mudar completamente quando a filha de um amigo do seu pai acaba se mudando para sua casa. A obra foi publicada entre 2008 e 2014, e ainda recebeu uma “controversa” adaptação em anime em 2013.

PORQUE PODERIA VIR?: Honestamente, é uma obra que vejo com cara de Panini, até imagino a editora colocando o subtítulo em português. No geral é uma boa história de romance, admito que o autor se perde muitas vezes e que a reta final é bem abaixo, mas no geral acho uma obra muito boa que consegue trabalhar bem comédia e drama. O quase harém que o protagonista cria incomoda um pouco algumas pessoas, mas temos que lembrar que ele é um shonen e não shoujo. Seu principal ponto negativo é obviamente o tamanho, quase 30 volumes é muita coisa, e a história começa a decair cedo, por volta do volume 18 ou 20. O anime também não ajuda muito, além de ser de 2013, ainda não foi uma boa adaptação, pois pegou um arco do meio do mangá e fez ficar ainda mais confuso.

 FUUKA – Em publicação com 15 volumes.

Fechamos nossa lista com a atual obra do autor, que talvez com Half & Half seja a que tenha um pouco mais de chances de pintar aqui (ainda assim poucas). A obra conta a história de Haruna, um garoto que vivia fechado em seu mundo de redes sociais, mas que após conhecer Fuuka descobre não apenas o amor, mas também a música.

PORQUE PODERIA VIR?: Eu disse que ela tem mais chances muito pelo fato de ainda estar em publicação e de ter recebido adaptação em anime esse ano, porém talvez o tema dela não seja dos melhores para vermos em nossas bancas. Eu não consigo me lembrar de nenhuma obra de música no Brasil além de Your Lie. Fuuka é de certo modo uma continuação de Suzuka, pois a garota é filha dos protagonistas do outro mangá, embora isso não importe nada em sua experiência de leitura. Um ponto negativo em Fuuka foram algumas escolhas do autor que não agradaram em nada o público (ainda torço o nariz para aquilo). Porém não é nenhum fim de mundo, e acho que no geral Fuuka é muito melhor que muitos mangás que vemos aqui. Começa a pesar contra a quantidade de volumes, já são 15 sem grandes previsões de conclusão e vendo a média do autor, deve passar fácil de 20.


Bom, chega ao fim essa primeira lista especifica de um mesmo autor.

Seo Kouji foi o primeiro que lembrei de cabeça com tantas obras de relativo sucesso e que nunca foi publicado no Brasil. Agora vou começar a pesquisar outros.

Vocês lembram de alguém? Podemos abrir o leque e pegar autores com apenas uma obra?

E das obras faladas hoje, conhecem ou comprariam alguma?

Comentem ai.

Anúncios

7 comentários

  1. Haag, não conhecia esse autor, e consequentemente suas obras, me interessei por todas, principalmente pelo primeiro de dois volumes. Pelo modo como disse, seria interessante vir Suzuka, e depois Fuuka.

    Mas realmente fiquei animado com o primeiro título; o dedinho de ler em Scan tá coçando, mas como eu tenho a sorte de conhecer algo, assim que começo a ler uma editora vem e anuncia, é melhor eu tentar me segurar uns meses, ha ha ha.

  2. Provavelmente eu compraria todos! Hahahahaha! Mas com certeza mesmo Fuuka e Kimi no Iru Machi. Pra ter uma ideia eu leio Fuuka há um tempinho e só me liguei nisso (dela ser a filha) há pouco tempo. kkkk

    Bem bacana essa ideia de falar das séries por autor!

    O autor de Tales of Demons and Gods, tem também mais duas séries de bastante sucesso Star Martial God Technique e Cult of the Sacred Runes, mas por ser manwa não sei como funciona o lance das negociações e tals.

    Fora ele, tem também o Boichi, que tem os recentes Origin e Dr. Stone e o famigerado Sun-Ken-Rock, fora uma porrada de títulos menores.

    Tem o Masanori Morita, que embora mais antigo, tem umas séries muito boas como Rookies e Rokudenashi Blues, além de um one shot chamado Hello Baby, em parceria com o Obata.

    Tem o Iwashiro Toshiaki, de Psyren e Kagamigami; o Makoto Raiku de Gash Bell e Doubutsu no Kuni; o Shinobu Kaitani, de Liar Game e One Outs;

    Além disso, tem uns monstros como Hiroshi Takahashi, com Crows, Worst, The Ring e mais uns 4 ou 5 títulos de sucesso.

    Mitsuro Adachi, que embora tenha sido publicado Histórias de Menino, por aqui, pela LP&M, o “filé” não veio (e dificilmente virá, infelizmente), temos Touch, Idol A, Cross Game, Katsu, Jimbee, H2 e mais uma porrada.

    E pra finalizar, tem o Nisio Isin, que tem uma porrada de títulos e participações, dentre as mais famosas Medaka Box e uma novel de Jojo.

    Podia também falar de títulos de autores que vieram pra cá, outras séries, já tendo outras bem famosas, como é o caso do Yusuke Murata (Eyeshield 21), o próprio Mashima (Rave Master), o Yuusei Matsui (Nougami Neuro) e por aí vai!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s